ALCAPARRAS (CAPERS, KAPERN, CÂPRE, CÀPPERO).
O autor responde: sergio.di.petta@cmg.com.br
Envie para o autor suas dúvidas sobre plantio, colheita e cura da alcaparra e o seu uso no preparo dos pratos.

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

7. ALCAPARRAS (2)

Alcaparras produzidas no sítio São Camilo, Brazópolis, MG


ALCAPARRAS

Na semana passada vimos que o tamanho do mercado mundial desse condimento não é coisa para se desprezar. No norte da África um hectare plantado com alcaparras pode gerar uma receita três vezes maior do que aquela obtida com a produção de cereais! Alem disso, contribui de maneira efetiva para a criação de empregos no campo uma vez que 1 hectare de alcaparreiras representa 650 dias de trabalho por ano gerando, portanto, de 4 a 5 empregos somente no setor da produção.
Na Europa, a produção de alcaparras dá suporte a milhares de pequenos produtores, principalmente na Espanha, França, Itália e Grécia. Na Sicilia, Itália, os ilhéus habitantes das eólias, Lipari e Panteleria, praticamente vivem de produzir alcaparras, uvas e do turismo. É preciso entender a produção de alcaparras com coadjuvante que contribui para a renda mensal ou anual do pequeno produtor.
É muito difícil subsistir no campo, em pequenas propriedades, sem diversificar a produção. Mesmo porque, às vezes, os trabalhos necessários à manutenção das culturas não são coincidentes no tempo, sendo perfeitamente possível lidar com duas ou três culturas ou atividades. Uma delas terá que fornecer a renda mensal para a sobrevivência da família. Regra geral a produção de leite, ou produtos da horta, são os responsáveis pela renda mensal. Mas também a alcaparra poderá desempenhar esse papel já que se o produtor souber tratá-las, estas poderão conservar-se por dois anos ou mais. Nesse caso podem ser vendidas de acordo com a necessidade do agricultor.
Se em uma determinada localidade a cultura da alcaparreira se mostrar produtiva e houver disponibilidade de mudas de boa qualidade (que, inicialmente deveriam ser produzidas com a ajuda de órgãos governamentais, que existem para esse fim) a expansão da cultura é a conseqüência natural e desejável.
A comercialização tanto pode acontecer através de uma cooperativa ou individualmente. No último caso, cada produtor tratará suas alcaparras embalando-as para o mercado consumidor, fato que despertará a concorrência, diversificando as embalagens, os meios de conservação e a qualidade, além de facultar a realização pessoal do produtor.
É lógico que para que tudo isso funcione é necessário que o Estado, arrecadador e fiscalizador, se torne um parceiro do agricultor no sentido de orientar, aconselhar e não acumular de obrigações e trabalhos burocráticos o homem do campo, àquele a quem devemos nossa alimentação.
Desamarrar os procedimentos para a implantação de qualquer cultura nova não é fácil. Parece até que todos os envolvidos, oficialmente, com a produção são contra. Não querem nem pensar no assunto. Di Petta 20.11.10

Nenhum comentário:

Postar um comentário